Após alertas e pressão, Banrisul volta a restringir atendimento

Dirigentes sindicais foram informados pelo banco na reunião de teletrabalho desta terça-feira, 24/11, que medidas restritivas serão retomadas para evitar aglomerações no interior das agências com a comprovação de nova onda de Covid-19 no Estado e no país

Imagine que a universidade britânica Imperial College divulgou um relatório, nesta terça-feira, 24/11, com alerta de aceleração da pandemia da Covid-19 no Brasil. O índice que mede o ritmo da transmissão da doença passou de 1,1, no dia 16 de novembro, para 1,3 nesta semana.

Traduzindo: se, há oito dias, cada grupo de 100 pessoas transmitia o novo coronavírus para 110 pessoas, agora, no Brasil, voltamos ao patamar do mês de maio. Cada 100 pessoas transmitem a Covid-19 para 130 pessoas.

A taxa de transmissão no Brasil variou de 0,86 a 1,45 desde que a pandemia começou em fevereiro. Quando fica abaixo de 1, significa que o avanço da doença está em desaceleração. Mas, quando está acima, a transmissão está acelerada. Há duas semanas, o valor estava em 0,68, o menor desde abril.

Agora, cortemos para o dia 3 de novembro. Se olharmos esses dois momentos de ritmo de transmissão da doença e pensarmos em 14 dias menos, os colegas do Banrisul entenderão por que os dirigentes que compõem o Grupo de Trabalho Temático do Comando Nacional dos Banrisulenses na mesa de negociação permanente com representantes do Banrisul saíram tão indignados daquela reunião 21 dias atrás.

Foi naquela fatídica terça-feira, 3/11, que o Banrisul anunciou a flexibilização do atendimento presencial, uma forma híbrida para atender mais gente e aumentar a chance de fazer negócio, condenada pelos dirigentes sindicais por ser uma aposta contra a vida dos Banrisulenses, de suas famílias e dos clientes (LEIA AQUI).

Os dirigentes fizeram apelos, pediram que o Banrisul mantivesse atenção aos protocolos. Que continuasse a ser exemplo.

Os dirigentes também disseram que havia estudos que apontavam para uma retomada do crescimento do volume de casos de Covid-19. Que as bandeiras do distanciamento científico do governo do estado apontavam para uma situação crítica. Os dirigentes também alertaram para uma segunda onda de infecções que começou exatamente nesta terça-feira, 24/11, e que foi detectada pelo relatório do Imperial College.

A atitude mais correta na direção de uma cultura preventiva voltou a fazer parte do dia a dia do Banrisul 21 dias depois. O banco anunciou, ao final da reunião sobre teletrabalho, nesta terça-feira, 24/11, a revisão da decisão de liberar o atendimento e que vai fortalecer os protocolos sanitários e de prevenção.

Não por caso, como os dirigentes avisaram, o Brasil estava às portas de uma segunda onda, e a imagem do Banrisul poderia ser corroída como um banco que ajudou a piorar os índices. De agora em diante, o banco anunciou que todos os gestores serão estimulados a manter a rigidez na manutenção dos protocolos sanitários.

E o atendimento voltará a ser realizado dentro da agência somente naquele número de clientes que for igual ao número de Banrisulenses disponível para atender presencialmente naquele momento. Os Testes para detectar colegas com Covid-19 continuarão sendo aplicados, assim como ocorrerá o fechamento de agências sanitizadas e os revezamentos de equipes.

O Banrisul não fez isso de graça. Teve muita pressão do movimento sindical, de colegas de todo o Estado, até a revisão da liberação geral, alegadamente motivada pelo fraco resultado financeiro do banco, diante de uma crise econômica sem precedentes.

Notificação por responsabilidade

Há exatos 14 dias, na reunião da terça-feira, 10/11, os dirigentes sindicais apresentaram uma notificação aos representantes do banco. Esta notificação alertava para a responsabilidade jurídica de quem não só apoiasse a flexibilização do combate à infecção, mas também daqueles que se omitissem diante das cores de bandeiras vermelhas, da lotação de leitos de UTI e do crescimento de casos dentro do próprio Banrisul e estimulassem o atendimento dentro das agências lotadas (LEIA AQUI).

Em uma única agência do interior do Estado, sete colegas haviam testado positivo para Covid-19 nas últimas duas semanas. Na semana de agora, notícias desta mesma agência dão conta de que outros três colegas testaram positivo, chegando a 10 infectados. O cenário de perigo à vida não podia estar mais nítido.

“Estamos chegando no verão aqui no Rio Grande do Sul e a tendência é o pessoal sentir muito calor e não usar máscaras. Por isso, é importante que o Banrisul volte a dar o exemplo. Estamos num período muito complicado. Está calor. É preciso reforçar a aplicação dos protocolos de saúde e higienização para os gestores. Não se pode tirar a máscara para nada”, alertou o diretor da Fetrafi-RS, Sergio Hoff.

A diretora da Fetrafi-RS, Ana Maria Betim Furquim, voltou a lembrar da importância da comunicação permanente com os gestores. “Fomos conversar com os colegas de uma agência que teve um caso com Covid-19. Eles disseram que não estavam preocupados porque o colega esteve visitando a agência, mesmo doente, por apenas 15 minutos. Ora, ainda há muita falta de informação. As pessoas têm que saber que todo mundo tem que fazer o teste quando teve contato com colega infectado sem importar o tempo de exposição”, explicou Ana Betim.

O presidente Sintrafi-SC, Sindicato de Florianópolis e Região Cleberson Pacheco Eichholz, apontou como fator que amplia o risco diante da Covid-19 a incapacidade do governo federal de combater a crise de saúde, o que obriga cada indivíduo assumir o controle sobre seus riscos. “Compete a nós, dirigentes sindicais, cobrar dos bancos responsabilidade com a vida de seus empregados, clientes e usuários. Não podemos permitir que se ponha em risco grave a vida de milhares de pessoas, sob a alegação de prejuízos de ordem meramente econômicos. O impacto financeiro poderá ser recuperado vidas perdidas não”, pontuou Cleberson.

Dirigentes que participaram da reunião desta terça-feira, 24/11: Fábio Alves (Fetrafi-RS), Mariluz Carvalho (SEEB Santa Cruz do Sul) e o assessor jurídico da Fetrafi-RS, o advogado Milton Fagundes.

Como representantes da diretoria do Banrisul participaram Fernando Perez (negociador), Gaspar Saikoski (Superintendente de RH) e Raí Mello (assessor jurídico do Banrisul).

História da retomada dos protocolos de saúde no Banrisul

Terça-feira, 3/11: Banco anuncia que vai flexibilizar atendimento e ouve de dirigentes que se trata de uma aposta com a vida das pessoas e uma irresponsabilidade.

Terça-feira, 10/11: Na reunião temática, integrantes do Comando Nacional dos Banrisulenses entregam notificação para a diretoria do banco alertando para a responsabilidade civil e criminal de quem não aplicar protocolos sanitários e de saúde nas agências do Banrisul.

Terça-feira, 24/11: Ao final da reunião sobre teletrabalho, representantes da diretoria anunciam que o banco decidiu retomar a política anterior de restrição de atendimento presencial e de aplicação de protocolos sanitários e de saúde.

Crédito imagem: Freepik

Fonte: Imprensa SindBancários

COMENTÁRIOS

Enviar

ENVIAR COMENTÁRIO

Para enviar um comentário você deve se registrar. Para isso use sua conta do Facebook.

ENTRAR COM FACEBOOK

ou se preferir use seu email pessoal

Esqueceu sua senha?

Enviar