Falta de informação cria clima de terror nas agências do Itaú

COE cobra esclarecimento dos planos de restruturação e que os atrasos na liberação dos consignados não prejudique os funcionários

A Comissão de Organização dos Empregados (COE) do Itaú se reuniu nesta quarta-feira (28) com representantes do banco e cobrou informações sobre os boatos de demissões que criam um clima de terror nas agências. A COE reivindicou que o banco divulgue comunicado para esclarecer que não haverá reestruturação, pelo menos neste ano, conforme dito pelos representantes do Itaú na reunião.

“Cobramos que o banco solte um comunicado definindo sobre o piloto que eles pretendem fazer. A falta de informação está provocando insegurança nos funcionários. O banco precisa esclarecer sobre o que quer com esse novo modelo, no que se refere a cargos”, disse Jair Alves, coordenador da COE do Itaú. Na reunião, o representante do banco informou que este ano não haverá nenhuma restruturação e extinção de cargos e que a partir do ano que vem é que será aplicado um modelo piloto em algumas agências. O detalhamento das mudanças será apresentado em uma nova reunião com a COE, em 10 de novembro.

Sem informação

A falta de informação por parte do banco foi uma crítica comum feita pelos membros da COE. O representante do banco admitiu que existem problemas de comunicação.

Além de um comunicado sobre a não realização de reestruturação, o banco deve esclarecer aos trabalhadores e à COE o projeto piloto que disseram estar em andamento. Também foi cobrado que o Itaú emita outro comunicado sobre as metas de consignado, que estão comprometidas diante dos atrasos das liberações. O representante do banco informou que os atrasos são da DataPrev, órgão do governo federal. A COE cobrou, então, que os funcionários não sejam prejudicados pelos atrasos e que as dificuldades nas liberações sejam explicadas oficialmente pelo banco.

Horário de atendimento

Outra informação passada pelo representante do banco é de que, por causa de ações do Ministério Público, as agências que fazem atendimento até 14h vão estender o horário até 15h. A COE também cobrou que a vacina contra o novo coronavírus a ser disponibilizada seja garantida pelo banco para todos os funcionários e seus dependentes. O representante do banco disse que a reivindicação da vacina será analisada. Também foi cobrada a retomada do debate sobre plano saúde, incluindo os aposentados.

Também foi levantado pela COE o problema das demissões. “Queremos a retomada da Central de Realocações, que deu certo e conseguimos manter mais de 8 mil empregos com essa central”, declarou Jair Alves. Outro ponto colocado pelos membros da COE foi que o Itaú retome as homologações com os sindicatos.

A COE também aguarda uma resposta sobre a proposta de renovação do Programa Complementar de Resultados (PCR) para a reunião de 10 de novembro. A expectativa da COE é que a renovação do PCR aconteça antes do final do ano.

Fonte: Contraf-CUT

COMENTÁRIOS

Enviar

ENVIAR COMENTÁRIO

Para enviar um comentário você deve se registrar. Para isso use sua conta do Facebook.

ENTRAR COM FACEBOOK

ou se preferir use seu email pessoal

Esqueceu sua senha?

Enviar