GT de Saúde discute o novo protocolo de Covid-19 com o banco Itaú

Movimento sindical pede a intensificação dos cuidados na prevenção da doença

A Comissão de Organização dos Empregados (COE) do Itaú se reuniu com o banco, nesta quarta-feira (16), para discutir o novo protocolo da Covid-19, que está em teste nos estados de Pernambuco e da Bahia e na cidade de São Paulo. A reunião faz parte do Grupo de Trabalho (GT) de Saúde do Itaú e visou esclarecer alguns pontos do protocolo que estavam sendo questionados pelos bancários.

Os representantes dos trabalhadores questionaram a postura de alguns gestores que se negam a fechar agências em casos de suspeita de contaminação; a distância estabelecida entre os trabalhadores prevista no protocolo, de 1,5 m de distância entre os funcionários em exposição superior a 15min; o afastamento dos contatantes e a proximidade dos caixas com os Gerentes operacionais (Gos) e supervisores, casos que em muitas situações não estão sendo afastados.

O banco esclareceu que, em caso de suspeita de Covid-19, a agência deverá ser fechada, sanitizada, e haverá apuração junto aos trabalhadores que tiveram contato com o infectado, podendo ser afastados por até 14 dias abonados. A agência abrirá com os não contatantes.

No caso dos caixas, todos serão afastados pela proximidade de atividade, assim como quem teve contato próximo (1,5 m de distância por mais de 15min), independente da função, incluindo gerente operacional e supervisor. O banco também afastará quem teve contato externo à agência, horário de almoço, carona etc. A testagem será feita conforme orientação da teleconsulta.

O banco alerta ainda que está monitorando os trabalhadores com relação ao uso dos equipamentos individuais de proteção, que irá advertir e, na reincidência, punir.

O Itaú disse que está fazendo lives e campanhas educativas sobre o uso de máscaras e canal de comunicação interno.

O GT reafirmou a necessidade de campanhas de conscientização do uso obrigatório dos EPIs e também da informação e cobrança dos gestores sobre a aplicação correta do protocolo.

Luciana Duarte, coordenadora do GT, revelou que foi proposto ao banco melhorias no protocolo no sentido da uniformização das informações, para impedir que a contaminação cresça dentro das agências. “Os representantes dos bancários orientam os trabalhadores a denunciar aos sindicatos qualquer prática que coloque em risco sua vida e sua saúde. O número de casos tem crescido de forma assustadora no país e no mundo e não se pode relaxar neste momento.”

Jair Alves, coordenador da COE Itaú, lembrou que, desde o início da pandemia, o movimento sindical vem discutindo com os bancos medidas para evitar a contaminação dos trabalhadores. “Muito já foi feito e vamos acompanhar de perto o resultado deste protocolo, com o compromisso do banco de revisão das medidas, caso os resultados não sejam satisfatórios.”
Carlos Damarindo, membro do GT de saúde, complementou o colega. “Cobramos do Itaú o retorno do rodízio, até para preservar os trabalhadores da exposição ao risco, seja no local de trabalho, seja no trajeto.”

Outro ponto de discussão da reunião foi a proposta de parcelamento da dívida de afastamento por doença. A proposta apresentada pelo banco será discutida na próxima reunião.

Fonte: Contraf-CUT

COMENTÁRIOS

Enviar

ENVIAR COMENTÁRIO

Para enviar um comentário você deve se registrar. Para isso use sua conta do Facebook.

ENTRAR COM FACEBOOK

ou se preferir use seu email pessoal

Esqueceu sua senha?

Enviar