Itaú lucra mais de R$21 bi com demissões e fechamentos de agências

COE reivindica melhor distribuição de renda e contratações

O Itaú lucrou R$ 21,067 bilhões nos nove primeiros meses de 2019, um crescimento de 9,4% em relação ao mesmo período de 2018 e de 1,7% no trimestre. Ao final de setembro de 2019, como aponta os destaques do Dieese, a holding contava com 83.536 empregados no país, com fechamento de 3.534 postos de trabalho em doze meses. No segundo trimestre deste ano, o banco lançou um Programa de Desligamento Voluntário (PDV), ao qual segundo comunicado, atingiu 3,5 mil adesões, gerando uma despesa não recorrente de R$ 2,4 bilhões. Além do PDV, de acordo com o relatório do banco, a redução anual do quadro de colaboradores no Brasil deve-se, também, ao encerramento de agências físicas. Em doze meses, foram fechadas 201 agências físicas e abertas 23 agências digitais, totalizando 3.330 e 196, respectivamente. O banco anunciou que o saldo de agências fechadas em 2019 deve chegar a 400.

Para Jair Alves, coordenador da Comissão de Organização dos Empregados (COE) do Itaú, cabe aos funcionários cobrarem uma melhor distribuição da renda deste lucro. “O banco obteve esse lucro devido à redução das agências físicas e o aumento das agências digitais, além da redução no número de funcionários. A diminuição do número de trabalhadores significa aumento da carga de trabalho. Está na hora de o banco contratar. Quem ficou, não pode ficar sobrecarregado.”

Jair disse que a COE vai cobrar mais contratações e melhor distribuições dos lucros. “Nós queremos uma melhora dos programas que o banco tem. Os temas já estão na pauta das negociações que estão acontecendo. Uma das reivindicações, é um pagamento proporcional dentro do AGIR, que atualmente não existe. Não é nada mais justo que os funcionários ganhem proporcionalmente a que ele entrega”, completou.

De acordo com o banco, o crescimento da margem financeira com clientes, devido ao crescimento das carteiras de pessoas físicas e de micro, pequenas e médias empresas; a evolução da receita de prestação de serviços; e a retomada do crescimento do segmento de grandes empresas após quatro trimestres consecutivos foram os principais destaques positivos. O retorno recorrente sobre o Patrimônio Líquido médio anualizado (ROE) cresceu 1,8 pontos percentuais em doze meses, ficando em 23,5%.

A Carteira de Crédito do banco apresentou crescimento de 8,3% em doze meses e 4,4% no trimestre, atingindo R$ 689 bilhões. As operações com pessoas físicas (PF) cresceram 15% em relação a setembro de 2018, chegando a R$ 229 bilhões, com destaque para cartão de crédito (+21,4%), crédito pessoal (+19,8%) e veículos (+18%). As operações com pessoas jurídicas (PJ) no país somaram R$ 188,1 bilhões, com alta de 9,9% em doze meses. Veículos (+104,4%), Capital de Giro (+18,4%) e o Crédito Rural (+10,9%) foram os destaques no segmento PJ. Dentre os segmentos que representam, em grande parte, crédito para grandes empresas, o Financiamento à Exportação/Importação apresentou alta de 7,8%, os demais apresentaram queda. A carteira de crédito para a América Latina apresentou queda de -0,8% no período. O Índice de Inadimplência superior a 90 dias, no país, caiu 0,1 pontos percentuais, ficando em 3,4%. Por sua vez, as despesas com provisão para devedores duvidosos (PDD) cresceram 24%, totalizando R$ 14 bilhões.

A receita com prestação de serviços e tarifas bancárias cresceu 3,8% em doze meses, totalizando R$ 29,4 bilhões. As despesas de pessoal, por sua vez, subiram 17,3%, somando, aproximadamente, R$ 20,6 bilhões. Com isso, a cobertura destas pelas receitas secundárias do banco foi de 143% no período.

Contraf-CUT

COMENTÁRIOS

Enviar

ENVIAR COMENTÁRIO

Para enviar um comentário você deve se registrar. Para isso use sua conta do Facebook.

ENTRAR COM FACEBOOK

ou se preferir use seu email pessoal

Esqueceu sua senha?

Enviar