Comando Nacional debate crise sanitária com a Fenaban

Considerando o atual momento de colapso no sistema de saúde e crescimento do número de casos de covid-19 o Comando cobrou uma postura mais enérgica da Fenaban na condução dos protocolos de segurança

Nesta sexta-feira, 5, os integrantes do Comando Nacional dos Bancários estiveram reunidos por vídeo conferência através da plataforma Zoom com os representantes da Fenaban. Após uma semana onde as notícias confirmaram o crescimento da Pandemia no país, os banqueiros assim como o governo federal insistem em não reconhecer a gravidade da situação, flexibilizando protocolos e colocando as metas como prioridade em detrimento a vida.
Considerando que já não há expectativa de que medidas capazes de enfrentar a crise sanitária na sua real dimensão, surjam do Planalto, os representantes do Comando exigiram que medidas mais enérgicas para conter a propagação do novo coronavírus sejam adotadas pelos bancos.
Enquanto o mundo se preocupa em proteger a vida adotando medidas que garantam uma menor circulação de pessoas e por consequência do vírus, além de intensificarem campanhas de vacinação, o que vemos no Brasil é um comandante ignorando os fatos e zombando daqueles que enfrentam a perda de familiares ou que estão na fila entre a vida e a morte aguardando um leito de UTI.
O presidente do Sintrafi Florianópolis Cleberson Pacheco Eichholz destaca, “É do conhecimento público que o Sistema Financeiro no país tem sido exceção frente a crise econômica que vivemos, alcançando lucros extraordinários. Portanto, se neste momento a pandemia se expande fora do controle das autoridades de saúde do país, se o governo central revela a cada dia a sua estúpida incapacidade para enfrentar com competência a atual crise e suas terríveis consequências, compete a nós cobrar das instituições financeiras mais responsabilidade. Não podemos permitir que se ponha em risco grave a vida de milhares de brasileiros e brasileiras, sob a alegação de prejuízos de ordem meramente econômicos.”

Veja a seguir algumas exigências feitas pelo comando:

— Suspensão das metas;

— Realizar atendimento presencial com agendamento e apenas de casos essenciais;

— Ampliar o número de trabalhadores em regime de teletrabalho;

— Redução do tempo de abertura das unidades;

— Disponibilização de álcool gel nos autoatendimentos depois do expediente;

— Fim das demissões.

Sintrafi Floripa

COMENTÁRIOS

Enviar

ENVIAR COMENTÁRIO

Para enviar um comentário você deve se registrar. Para isso use sua conta do Facebook.

ENTRAR COM FACEBOOK

ou se preferir use seu email pessoal

Esqueceu sua senha?

Enviar