Funcionários do BB aprovam Estado de Greve

Trabalhadores lutam contra demissões, fechamento de agências e projeto de privatização do Banco do Brasil; assembleias, realizadas em todo o país, contaram, em média, com 80% de aprovação do estado de greve

Funcionários do Banco do Brasil em todo o país participaram ao longo da última sexta-feira de assembleias realizadas pela internet e aprovaram o Estado de Greve. “Os funcionários mostraram que querem negociar. Exigem que o banco seja transparente com relação ao plano que está em implantação. Queremos saber quantas e quais agências serão fechadas, quantos funcionários serão afetados e o que o banco pretende fazer para que os trabalhadores não sejam, mais uma vez, prejudicados”, disse o coordenador da Comissão de Empresa dos Funcionários do Banco do Brasil (CEBB), João Fukunaga.

O Estado de Greve é um alerta para que a direção do banco e o governo se atente para as reivindicações dos trabalhadores e abram negociação para que se evite a deflagração da greve.

“Temos que estar preparados para o pior, pois temos no comando do país um governo que, declaradamente, quer acabar com os diretos dos trabalhadores e que vê o funcionalismo como um problema para seu projeto privatista. Um governo que quer, a qualquer custo, acabar com o Banco do Brasil”, completou a secretária de Juventude e representante da Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT) na CEBB, Fernanda Lopes.

Na base do SINTRAFI Florianópolis e categoria aprovou o estado de greve e as mobilizações do dia 10 com 84% (oitenta e quatro) dos votantes.

Pressão

Os funcionários estão pressionando o banco para que o mesmo seja transparente e abra negociações com relação ao plano que prevê a demissão de 5 mil funcionários (em plena pandemia), além do fechamento de 112 agências, 242 postos de atendimento e sete escritórios.

Na quarta-feira (3), os funcionários realizaram reunião com o Ministério Público do Trabalho (MPT) para pedir intervenção do órgão na busca de informações. “Procuramos a intermediação do MPT porque a direção do banco, pela primeira vez, se recusou a nos informar sobre mudanças que afetam os funcionários de forma contundente”, afirmou o coordenador da CEBB, João Fukunaga.

O banco se comprometeu na reunião a submeter a pauta com os pontos destacados pela Contraf-CUT à instância superior e trazer a resposta até a próxima audiência com o MPT, na segunda-feira (8).

Fonte: CONTRAF/CUT

COMENTÁRIOS

Enviar

ENVIAR COMENTÁRIO

Para enviar um comentário você deve se registrar. Para isso use sua conta do Facebook.

ENTRAR COM FACEBOOK

ou se preferir use seu email pessoal

Esqueceu sua senha?

Enviar

  • Esse tal BB, tem que ser privatizado mesmo. É uma cambada de vadios, há muitos e muitos anos, mamando nas tetas da instituição. Mesmo, por que não funciona. O atendimento é de péssimo qualidade (tipo tartarugas) só pensam no salário no final do mês. Produzir, atender bem o público, principalmente os Correntista, que é o meu caso, não querem não. Tomar cafezinho, contar piadinhas, matar tempo, desmoralizar os clientes, aí sim, são especialistas. (Raras excessões). Pronto falei……..!!!!!

    IDELFONSO Siqueira