Mais de 200 mil mortes e para Bolsonaro “a vida continua”

O Brasil ultrapassou já há alguns dias a marca de 200 mil mortes causadas pela Covid-19. Diante disso, o que diz então o presidente da República, Jair Bolsonaro? “A vida continua”. Um retrato de crueldade e deboche que beiram a insanidade.

Da forma como chegamos até aqui, fica comprovado que o país está sob o comando de um governo genocida, irresponsável, que pouco se importa com a vida dos brasileiros. A preocupação maior de Bolsonaro ainda é a manutenção do diálogo com alguns grupos extremistas que continuam o apoiando. Felizmente em menor número a cada dia.

Já se passaram 11 meses de pandemia e o que fez o presidente? Vergonhosamente colocou o País num projeto de morte, sem testes suficientes, sem apoio às equipes de atenção básica em saúde, desarticulou o programa Mais Médicos, e, além de tudo isso, criou conflitos com estados e municípios, que ajudaram o governo federal a coordenar o trabalho do SUS.

Agora, enquanto renomadas instituições brasileiras de pesquisa, como o Instituto Butantan, confirmam a eficácia da vacina, Bolsonaro nega a urgência de imunizar a população. Sua incapacidade não o deixa enxergar os impactos da atual crise sanitária sobre os empregos e a renda dos trabalhadores. Por consequência, a pandemia de Covid-19 está agravando a desigualdade social no Brasil, trazendo sérios efeitos sociais, com o aumento da miséria. A população empobreceu, perdeu postos de trabalho e está diante de um cenário de crescente desemprego.

A economia, que no governo Bolsonaro já se mostrou uma tragédia, piorou com a pandemia. Milhares de microempreendedores estão fechando as portas, trabalhadores estão sem renda. Sob o governo Bolsonaro, 1,3 milhão de famílias já entraram na faixa de extrema pobreza. E a perspectiva não é nada positiva para o futuro.

No fundo, Bolsonaro sabe que a vacinação é a medida mais urgente para a população brasileira nesse momento. Mas, cruelmente, como um genocida que é, com sua postura de extrema direita prefere gerar dor e sofrimento ao povo, criando obstáculos a todo o momento para impedir que a vacina seja aplicada.

A classe trabalhadora precisa reagir às práticas maldosas e obscuras de Bolsonaro, enfrentando o negacionismo do governo e exigindo a urgente vacinação de todos. O Brasil necessita também de um plano estratégico para retomada econômica, com geração de emprego e renda. A democracia deve ser fortalecida e respeitada, a partir da defesa das instituições e empresas públicas, que são patrimônio de todos os brasileiros e brasileiras.

Fonte: Fetrafi-SC

COMENTÁRIOS

Enviar

ENVIAR COMENTÁRIO

Para enviar um comentário você deve se registrar. Para isso use sua conta do Facebook.

ENTRAR COM FACEBOOK

ou se preferir use seu email pessoal

Esqueceu sua senha?

Enviar